Délio ajuíza queixa crime contra fake news de Jacques Veloso

17nov

O candidato à presidente da OAB/DF pela Chapa 20 – Independência na Ordem, Délio Lins e Silva Jr., protocolou nessa sexta-feira (16) uma queixa-crime na 5ª Vara Criminal da Justiça do DF contra os candidatos a presidente e vice da chapa 10, Jacques Veloso e Thaís Riedel, respectivamente. O motivo foi um vídeo com denúncia falsa divulgado essa semana por ambos, em que acusam Délio de ter usado dinheiro das anuidades da OAB/DF para pagar “festinha particular” para Conselheiros Federais, em março de 2010. À época, Délio era Conselheiro da Seccional; passados oito anos, nem Veloso, que é o atual secretário-geral da entidade, nem a gestão anterior, do seu grupo, questionaram o evento.

Para ele, a denúncia tem cunho estritamente eleitoreiro e a nítida intenção de prejudicar sua candidatura, em função da proximidade das votações, marcadas para 29 de novembro. “Mesmo após duas gestões e seis anos seguidos no comando da OAB/DF (triênios 2013/2015 e 2016/2018), os dirigentes que agora nos acusam nunca tomaram qualquer atitude em relação ao alegado desvio de dinheiro. Fosse verdadeira a denúncia, estariam incorrendo, no mínimo, em falta disciplinar por omissão em relação a toda a advocacia do Distrito Federal. As contas da nossa gestão no período questionado, entretanto, foram devidamente aprovadas”, pontuou.

Na queixa-crime, Délio desmente as acusações e comprova que foi um evento institucional promovido em conjunto pela diretoria da Seccional e o Conselho Federal da Ordem – sem a sua participação. “Foi realizado na casa de meu pai, Conselheiro Federal à época, a pedido dos dirigentes do órgão. Era uma homenagem aos Conselheiros e presidentes de Seccionais da OAB que estavam em Brasília para a primeira sessão do órgão no triênio”, detalhou. “O pedido para usar sua residência foi exatamente para evitar custos com aluguel de espaço, ou seja, foi um favor prestado por meu pai”. Délio juntou documentação que demonstra os fatos.

Diante da gravidade das acusações e do prejuízo a sua honra e imagem profissional, Délio pede uma indenização de R$ 50 mil por calúnia e difamação, uma vez que foi acusado de desviar dinheiro da OAB/DF para fins pessoais, o que seria um crime.

“Foi a medida judicial mais triste da minha vida: contra colegas de profissão! Eu tinha os dois advogados que assinam o vídeo como amigos, jamais esperei uma acusação tão absurda e baixa”, lamentou. “Isso não se coaduna com os limites éticos, morais e legais que uma campanha eleitoral deve ter, ainda mais numa instituição do tamanho e relevo da Ordem dos Advogados do Brasil”.

Confira na íntegra o documento